8bet -A agricultora familiar Cláudia Farinha foi nomeada na última quinta-feira (13)como tit

Mulher assume pela8bet - primeira vez liderança da Suframa

A agricultora familiar Cláudia Farinha foi nomeada na última quinta-feira (13) como titular da Superintendência Regional do Incra do Distrito Federal e Entorno. É a primeira vez que este cargo será ocupado por uma mulher,8bet - negra e assentada da reforma agrária.

Continua após publicidade

Após sua posse, Cláudia ressaltou a importância simbólica de sua nomeação e destacou que chega ao órgão contando com o apoio dos trabalhadores familiares organizados e demais lideranças de movimentos sociais e políticas do campo democrático popular.  

“Eu estou muito feliz, sobretudo porque não estarei sozinha nessa caminhada, pois conto com o apoio do campo unitário agrário do DF, com os nossos parlamentares, demais movimentos sociais e sindicais", destacou Cláudia. Segundo ela, é importante compreender a importância do espaço da superintendência do Incra para o fortalecimento da agricultura familiar. O Incra é responsável, sobretudo, pelo fomento a reforma agrária e regularização fundiária.

:: Massacre de Eldorado do Carajás: 27 anos depois, movimentos denunciam novas &39;milícias rurais&39; ::

“Precisamos retomar a pauta da reforma agrária e da regularização fundiária no DF e Entorno para fortalecer a agricultura familiar, que é a grande responsável pela produção de alimentos saudáveis no nosso país”, enfatizou Claudia.

Segundo ela o combate a fome, que é prioridade no governo Lula só será alcançado com o fortalecimento da agricultura familiar e por essa razão esse será um dos focos de seu trabalho.

Ao ser questionada sobre a questão da grilagem de terras e a criminalização dos movimentos sociais agrários na Região Administrativa de Brazlândia a nova superintendente do Incra defendeu o diálogo. “O Incra também tem a responsabilidade de diálogo com os outros setores da sociedade para explicar a importância dos movimentos sociais, porque hoje existe por parte de alguns um sentimento de criminalização e na verdade esses grupos são fundamentais para a produção de alimentos saudáveis, por exemplo”, destacou.

:: Entenda por que quando o MST faz uma ocupação não é o mesmo que invasão ::

Cláudia Farinha é uma trabalhadora rural, feminista, sindicalista, bacharela em Direito e tem uma história de luta na militância sindical, feminista, partidária e humanitária.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino


Relacionadas

  • Massacre de Eldorado do Carajás: 27 anos depois, movimentos denunciam novas &39;milícias rurais&39;

  • Movimentos ocupam Incra, se reúnem com governo e exigem saída de superintendente bolsonarista

Outras notícias

  • MST ocupa latifúndio improdutivo no município de Tamboril (CE)

  • MST entrega ao Incra demanda por novos assentamentos no DF e cobra rapidez do governo Lula

  • Brasil arrecada menos com imposto sobre terrenos rurais do que São Paulo com IPTU de apenas quatro bairros

BdF

Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap